Formação de professores levará acompanhamento escolar para alunos com defasagem

A Prefeitura de Campo Grande apresentou a formação do conteúdo do Programa Mais Alfabetização (PMALFA), que levará mais acompanhamento para os alunos que possuem dificuldades de aprendizado em sala de aula

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Superintendência de Gestão de Políticas Educacionais da Secretaria Municipal de Educação (Semed), apresentou a formação do conteúdo do Programa Mais Alfabetização (PMALFA), que levará mais acompanhamento para os alunos que possuem dificuldades de aprendizado em sala de aula, fortalecendo mais os professores e estudantes da Rede Municipal de Ensino (Reme).

A formação dos professores, sobre o conteúdo do Programa Mais Educação, do Governo Federal, tem o objetivo de fortalecer e apoiar os estudantes das unidades escolares no processo de alfabetização dos regularmente matriculados no 1º ano e no 2° ano do ensino fundamental, que possuem dificuldades no aprendizado. No total, foram 250 professores selecionados pelas escolas.

Como será aplicado

A técnica do 1º ao 5º, que está como coordenadora do Programa na Semed, Rita de Souza, explica que a atividade vai complementar o estudo dos alunos. “O professor tem a responsabilidade de alfabetizar as crianças. Como dentro de cada sala de aula temos algumas crianças que encontram-se com dificuldades de aprendizado, então entra o assistente para auxiliar o professor, com atividades mais elaboradas para suprir a necessidade dessas crianças”.

A coordenadora destacou que, com o programa, os professores e todas as pessoas envolvidas no processo estarão mais confiantes. Ela espera que o índices aumentem com o desenvolvimento e aplicação do programa dentro das escolas.

Agregando conhecimento

O professor pedagogo Maicon Magalhães, da Escola Senador Rachid Saldanha Derzi, destacou importância da apresentação do conteúdo.

“Achei bastante interessante. A capacitação vem agregar bastante e é um instrumento para conhecimento e melhora da educação básica. A palestra agrega bastante conhecimento. Sabemos que a criança hoje esta com bastante dificuldade e o projeto vem para auxiliar a gente para ter retorno que tanto a gente espera dos alunos em sala de aula”.

Para a Secretária adjunta de Educação, Soraia Campos, a formação dos professores para projetos municipais e federais é um impulso para o melhor atendimento a educação e ao desenvolvimento dos alunos. “Sabemos que o professor tem uma batalha grande todos os dias para elevar a aprendizagem, melhorar a educação do país. Professor é a profissão mais nobre que existe. Posso nascer mil vezes e mil vezes professora eu seria. Nós não podemos descansar, não podemos desistir. Nós estamos aqui para fazer cada vez melhor”, declarou.

Resultados

Os resultados da Avaliação da Alfabetização (ANA), criada com o intuito de avaliar o nível de alfabetização dos estudantes ao fim do 3º ano do ensino fundamental, apontam para uma quantidade significativa de estudantes no nível insuficiente de alfabetização em (leitura, escrita e matemática).

Com os resultados, o Ministério da Educação (MEC) busca garantir apoio adicional ao processo de ensino e de aprendizagem por meio da presença do assistente de alfabetização, com a finalidade de auxiliar o professor alfabetizador em sala de aula, reconhecendo como papel fundamental nesse processo.

O Programa cumpre a determinação da Base Nacional Comum (BNCC), quando estabelece que nos dois primeiros anos do ensino fundamental, a ação pedagógica deve ter como foco a alfabetização, a fim de garantir amplas oportunidades para que os alunos apropriem-se do sistema de escrita alfabética.

Fonte: http://www.acritica.net/

Comments

comments

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.