“Quem precisa mais de você é o seu pior aluno”, diz escritor Pedro Bandeira aos Professores

Autor de best-sellers infanto-juvenis como “A Droga da Obediência” e especialista em letramento e técnicas de leitura, Pedro Bandeira comparou as profissões de professor e médico, em palestra na 17ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro. A uma plateia cheia de fãs e professores, ele sugeriu que os docentes se atentem às diferenças entre os alunos.

“Cada aluno é diferente do outro. Você tem que ter a habilidade de cuidar de diferentes”, disse ele, que comparou: “Quem precisa mais de médico? É quem está mais doente. Quem precisa mais de você? É o seu pior aluno. O seu bom aluno não precisa de você, ele anda sozinho. Mas se você não cuida do seu mau aluno, ele vai embora”.

O autor deu dicas a professores que querem estimular a leitura, afirmando que alunos que têm mais dificuldades de ler podem ser incentivados, inicialmente, com trechos menores e textos ritmados. Bandeira criticou os professores que cobram que todos os alunos comecem por livros do mesmo tamanho e entendam de forma igual.

“Não existe isso. É a mesma coisa que o médico receitar o mesmo remédio para todos os pacientes”, afirmou ele, que reforçou a necessidade de cuidar dos alunos com dificuldades de aprendizado: “Nossa política sempre foi essa, a de excluir. o mau aluno não interessa, eu expulso da classe. Sempre foi assim. Mas no hospital vou expulsar quem está pior?”

Outro ponto criticado pelo autor foi a preocupação com as notas. Mais uma vez comparando com o universo da medicina, ele disse que as notas são os exames de laboratório que só interessam ao médico, já que o importante é que o paciente saia curado e que o aluno aprenda.

“A nota não é importante. A nota é para você, a prova é para você, assim como o exame de laboratório é para o médico”, disse ele, que ironizou: “Se você for procurar um emprego, não vão perguntar qual foi foi sua nota de ciências na 3ª série. O que importa é o que você é hoje”.

Fonte e texto: https://educacao.uol.com.br/

Comments

comments

Você pode gostar...

16 Resultados

  1. Selma disse:

    Se cada professor (a) fizer um pouquinho de sua parte, mesmo com tantas dificuldades enfrentadas, penso que poderemos salvar uma criança sim!A falta de amor e a pior doença do século e nos colaboradores em educação podemos nos permitir um momento ,”médicos” ainda que não sejamos especialistas.

  2. Terezinha Barbosa Alves disse:

    Realmente, o aluno que reluta para não valorizar o conhecimento é por que ainda não comprende o valor do mesmo. Cabe ao professor insistir.

  3. Ruthe Aquino disse:

    Pura verdade devemos olhar com outros olhos os alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem.

  4. Paula Maria disse:

    Tenho alunos com problemas de aprendizagem, mas estes são justamente os que desestruturam o andamento da aula. Não tem interesse em aprender.

  5. Elaine Graciely do Rosário. Moura disse:

    Também acho que nós professores precisamos dar mais atenção aos piores alunos. Mas como fazer isso numa turma de 40 alunos? O médico atende 1 paciente de cada vez né! Será que dá para comparar?

  6. Carlos disse:

    O problema é que na medicina, o paciente procura o médico e na educação o aluno com “problemas” não faz isso. Desconheço caso na medicina em que médico saia correndo atrás de pacientes,

  7. JOSE ROBERTO FELICIANO DE JESUS disse:

    Sou professor, gostaria de atender um por vez. A teoria está longe da prática.
    Vá por mim, quando muitos reclamam do mesmo problema, é sinal que tem fundamento.
    Digo pois, enquanto nossos argumentos não forem reconhecidos como verdade, nada será feito.
    Obrigado
    O governo de país não governa para o seu povo, e sim para os interesses que o rege.

  8. O Primeiro passo para conseguir o sucesso de um aluno, é o AMOR!!!!!
    Com ele venceremos qualquer dificuldade ou conflito que ele trás seja de casa da rua……
    O AMOR EXIGENTE diz o seguinte:
    Nada não muda se eu mudar!!!!
    A começar por mim!!!
    O AMOR vence qualquer barreira!!!!

  9. Maria Nilza Soarees Novaes disse:

    Concordo muito com Pedro Bandeira .Mas infelizmente não somos o que atende um (1) paciente de cada vez e o professor,40 ou mais em cada sala .Como educadora sempre dei prioridade os alunos que mais precisarão de mim.

  10. Washington disse:

    Estou agora na gestão de uma escola municipal ( vargem grande MA), estou fazendo o possível para mudar a realidade de nossa escola, pois fica localizada na periferia da cidade, muito discriminada, com alunos indisciplinados e usuários de drogas. Estou trabalhando o lado humano, solidário e afetivo para combater a indisciplina e afasta-los das drogas. Aceito sugestões! ?

  11. Nerivânea disse:

    Acredito que temos sim que dar mais atenção ao aluno que apresenta maiores dificuldades ; O problema é que temos sempre que cumprir o cronograma e calendário escolar e por isso as vezes ficamos sobrecaregados.

  12. Emília Côrtes disse:

    Ótimas considerações. Sou professora, já fui a pior aluna, e hoje vejo a escola com os mesmos olhos desse escritor. Tirar notas altas não é um medidor confiável de inteligência e competência.

  13. Ge Carla disse:

    Concordo muito com Pedro Bandeira, só que ele esqueceu de considerar que o médico atende 1 paciente de cada vez e o professor, 40 ou mais em cada sala.

  14. Luciana disse:

    Eu também concordo, o mas fraco sempre precisa de mais atenção e pode até se transformar no melhor aluno.

  15. Graça Araujo. disse:

    Parabens,tambem concordo.Eu particularmente,dentro de uma sala de aula ,a minha prioridade e levar em frente o pior aluno ou melhor o aluno.mais fraco,esse sim precisa de mim.Aluno e igual filho ,com as mesmas caracteristicas mas com cerebro diferenciado.Os ,precisamos moldar aos poucos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *