Salários dos professores públicos devem ser pagos por aulas dadas e não por jornadas semanais, diz especialista ao MEC

Resultado de imagem para Salários dos professores públicos devem ser pagos por aulas dadas e não por jornadas semanais, diz especialista ao MEC

Por Fábio Assunção, Brasília | O economista Ferdinando C Burlamaque enviou ao ministro Mendonça Filho um extenso documento onde, dentre outros pontos, defende o fim da contratação de professores públicos por jornadas de trabalho, sejam de 20, 40 ou outro número qualquer de horas semanais.

Burlamaque é doutor em administração pública e especialista em políticas educacionais, e opina que o melhor é pagar o professor de acordo com a quantidade de aulas que ele efetivamente ministrar por dia, semana ou mês.

Segundo assessores do MEC, Mendonça Filho está ansioso para ler o domento e deverá se posicionar sobre a questão tão logo obtiver um parecer técnico sobre o tema.

Para o Dr Burlamaque, o atual modelo de remuneração do magistério está completamente falido. “Na prática, os governos fingem que pagam e os professores fingem que trabalham. Exemplo disso é o piso nacional da categoria, que prefeitos e governadores ignoram, o que leva os educadores a greves e mais greves. Quem perde é a sociedade”, diz.

O economista afirma que receber por hora-aula dada seria muito vantajoso para os docentes, pois “ao invés de um salário fixo mensal que não sobe nunca, o professor receberia de acordo com sua produção: quanto mais aulas no mês, mais dinheiro no bolso. O pagamento poderia inclusive cair na conta toda quinzena ou até por semana. Há tecnologia para isso”, declara.

O especialista destaca também que “essa nova metodologia de contratação ajudaria a afastar das redes públicas professores faltosos, que incham a máquina e comprometem a valorização de quem de fato quer trabalhar”.

Armadilha

Para a educadora Graziella M Ibiapina, no entanto, tal ideia não passa de uma armadilha para tentar induzir os professores a mais sacrifícios e arrocho salarial. Ibiapina diz que esse método de pagar por hora dada é totalmente inviável, pois levaria a sérios conflitos nas escolas. “Quem determinaria, e sob quais critérios, que professor A ou B daria mais ou menos aulas?, indaga.

A educadora destaca também que os professores virariam uma espécie de máquinas caça-aulas, sem direito sequer a adoecer ou eventualmente se ausentar para resolver problemas pessoais, pois teriam suas produtividades rebaixadas no mês e os salários diminuídos ou até zerados. “É uma lógica privatizante”, alerta.

Tal projeto, pondera por fim a educadora, só interessa ao próprio ministro privatista Mendonça Filho e à maioria de prefeitos e governadores, que não têm compromissos com a educação pública ou melhorias para os profissionais da área. “Uma furada, portanto”, afirma. “O correto é lutar por uma carreira e política salarial nacional que contemple os anseio históricos do magistério“, conclui.

Leia mais: Mídia Popular

Comments

comments

Você pode gostar...

30 Resultados

  1. Lucia Pereira disse:

    Porque não pensam em aumentar as gratificações do Professsor em igual as dos Deputados. Iria ser maravilhoso. Somente de professor em sala pra não atrair tantos colegas em secretarias.

  2. Marcia Regina Lopes Henrique disse:

    Daniela Yoshida. Olha isso.

  3. Aparecida disse:

    Que tal os políticos também ganharem por horas trabalhadas e com aposentadoria igual a que eles querem para o povo.

  4. Lá zaro disse:

    Esse ministro nunca deu aula, não sabe da realidade, uma pouca vergonha para o magistério.

  5. Ilda dos Santos Silvs disse:

    Vai estudar Ministro e aturar filho sem edicação desse bando de descompromissado que o povo chama de pai e mão! Depois vamos ver se você tem peito pra trabalhar de graça pra essa coja! Bem que você foi muito mal recebido lembra golpista!

  6. Ilda dos Santos Silvs disse:

    E será que esse peste vai corrigir prova e.encher a papelada da burocracia da escola? Sim porque ninguém vai carregar a sociedade na costa de graça não!

  7. Zilmar disse:

    Vamos ficar de olho!
    Vamos para rua porque não somos públicos para assistir. Somos agentes formadores.
    A nossa arma é essa. Vamos! Esse é o nosso poder!

  8. Léia disse:

    Mas é um miolo mole mesmo, onde já se viu trabalhar hora sem manter um compromisso com o aprendizado na base. O aluno não tem maturidade de aprendizagem. Muitos associam seu desenvolvimento com o vínculo afetivo que constrói com o professor. Esse tipo de projeto para professor não funciona, porque a continuidade com a responsabilidade de ensinar não fica somente entre quatro paredes de escola, segue um Gama de atividades extraordinárias classe.
    Talvez de certo este tipo de projeto com a classe política . Precisa sim rever uma estruturação para a educação pois está perdendo seu papel na sociedade.

  9. Andiara disse:

    Por que nunca estudam uma maneira de enxugar a máquina governamental? ???Essa sim afundou o Brasil…..PAGUE AOS POLÍTICOS HORAS TRABALHADAS EM PROL DA SOCIEDADE….NÃO POR HORAS DE OPERAÇÕES FRAUDULENTAS. ….NÃO POR SESSÕES N CÂMARA DISCUTINDO MARACUTAIAS….SE ENXUGAR O SALÁRIOS MILIONÁRIOS DOS DESGO VERNOS BRASILEIROS O BRASIL ENTRARÁ NOS EIXOS…..

  10. Hilda mars disse:

    Adorei a idêia para aplicar aaos políticos.

  11. Haroldo Gomes Barroso disse:

    Já vi de tudo nesse país de corruptos, mas como esses empoderados sem votos ultrapassa a qualquer limite rasoável, já fui prof. aulista, horista, etc…hoje adjunto por mérito, sei o que um FDP de plantão pode fazer com sonhos e carreiras profissionais, agora quando se juntam muitos FDPs aí só partindo para o confronto nas ruas. Temos que exorcizar esses demônios na força, insuportáveis tiranos e como tais corruptos!

  12. Eddyr Guerreiro disse:

    Seria esse filho de um corno que atura alunos que chegam nas salas de aulas carregando a péssima educação que vem de casa? Seria esse miserável que volta e meia vem ser agredido verbalmente, fisicamente por pais e alunos? Desculpe o termo baixo que vou fazer uso dele aqui nesse espaço, mas será que esse excomungado comeu merda quando era criança ou criança quando era merda? Um absurdo isso. Os profissionais da educação é a classe mais sacaneada do Brasil cujo nossos desgovernates sempre a tratou com descaso. Que ele queime no mais profundo abismo da profundezas do inferno com as ideias dele. Fiquem na paz e longa vida para vocês que nos educaram, que educam nossos filhos e netos, longa vida para vocês que não fazem cidadãos e nos dão uma identidade. Eu Guerreiro. (Facebook – > Eddyr o Guerreiro)

  13. Adriana disse:

    E as atividades que devem ser feitas em casa? E o planejamento? Tbm vai ser pago? Ou vcs vão Dar tudo de mão beijada e vão corrigir avaliações para nós? Bando de palhaço. .. começando por esse Doutor administrativo que com certeza está muito vagabundo para redigir esse documento.

  14. Priscila melo disse:

    Meu deus um absurdo….. os professores já ganham pouco…….. absurdo. daqui a pouco vai ser extinta a profissão.

  15. Gio disse:

    Os politicos , magistrados, juizes, desembargadores, promotores et. Todos deveriam ganhar pela hora de trabalho e deacordo com a sua titulaçao.

  16. Eliana Bueno disse:

    O especialista Ferdinando C.Burlamaqui recebe por hora efetivamente trabalhada? Quem controla essas horas?

  17. Joe disse:

    Temos que acabar com a reeleição, essa profissão de ser político tem que acabar. Esses vermes tem que estudar e fazer concurso igual nós. Precisamos acabar com esse modelo de governança, ou melhor ‘CASTAS’ de parasitas.

  18. Ricardo Medeiros disse:

    E quanto seria a hora-aula? Quantas escolas deveriam ser construídas e quantas turmas por quantos turnos e quantos alunos cada professor teria sob sua condução para não morrer na miséria? Quem trabalha por programa é puta, com todo o respeito que elas merecem….Coisa que o autor da proposta deveria receber….

  19. Helber disse:

    Pergunta a ele se ele recebe por produção????

  20. Valdeci do Carmo disse:

    Falido mesmo é esse modelo de gestão pública. Absurdo o que fazem com os professores.

  21. joana disse:

    Palhaço.Acho q deveria fazer isso com os polítiicos.A maioria iria ficar sem receber.

  22. Katia disse:

    Ministro pq não vcs trabalharem por produtiva efetiva para o povo e para o trabalhador, vcs propõem idéias q vcs mesmos não assumem, ou seja , faca o q eu mando e não o q eu faço. O problema em nosso país é q nossos políticos não trabalham para o povo, e sim pra si mesmos.

  23. Daiana Ventura disse:

    Prezado,
    A produção e preparação de provas; aulas; cadernete; correcões e preparações de aulas? Um argumento inválido para um desconhecimento imenso, mais respeito a classe, pf.

  24. Adriana disse:

    Falta de respeito com o professor e falta de vergonha na cara desses políticos curruptos que nem trabalham dignamente e tem salários altíssimos. Manda ele receber por horas trabalhadas idiota mesmo.

  25. Nilza disse:

    Ministro vc nunca nem passou perto de uma sala de aula para saber como. Professor trabalha, aliás qual é mesmo a sua formação? Além de Ministro é claro.

  26. Nilzs disse:

    Ministro vc nunca nem passou perto de uma sala de aula para saber como. Professor trabalha, aliás qual é mesmo a sua formação? Além de Ministro é claro.

  27. carla disse:

    Gostei da ideia mas não para os professores mas para os políticos, que só deveriam receber pelo que trabalham, iria se gastar bem menos com eles.

  28. Airley disse:

    Um idiota , trabalhar por aula !!

  29. Odileia disse:

    Olá sou professora do município de Planaltina GO, e efetiva na carga de 30 hs e não vejo vantagem em trabalhar horas aulas. Temos a experiência que muitos professores tem que correr atrás de 10 hs aula para completar a carga horária para ganhar melhor . E acho que professor não terá vida com essa proposta, pois os governantes só pensam que professor só dar aula, esquecem que tem provas,cadernos,trabalhos para corrigir, esquecem que temos que ser, pai,mãe, psicólogo, médico. …… e muito fácil agurmentar isso o difícil é conhecer a realidade do professor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *