Monteiro Lobato: o pai do faz-de-conta nacional

Muito antes de se falar em ecologia, Monteiro Lobato chamava a atenção, em meados de 1910, denunciando as queimadas no interior paulista pelas páginas de um jornal. O autor de Reinações de Narizinho queria um Brasil forte, justo – e, ao longo da vida (1882-1948), defendeu a prospecção do petróleo, a implantação de medidas sanitaristas ou a causa que entendia necessária para o progresso do País. Conseguiu irritar governos e interesses estrangeiros, sendo preso mais de uma vez. Um polemista, em síntese.

Faça o teste! Qual personagem de Monteiro Lobato é você?
Descubra quem é você na obra do autor.

Lobato amava o Brasil – e amava demais as crianças. A ponto de ter produzido, com prosa fácil e imaginação ilimitada, dezenas de histórias ambientadas em um universo particular, o Sítio do Picapau Amarelo – é considerado o criador da literatura infanto-juvenil brasileira. “Lobato é o nosso La Fontaine, o pai do faz-de-conta nacional”, define Vladimir Sacchetta que escreveu, ao lado de Carmen Lucia de Azevedo e Marcia Camargos, “Monteiro Lobato, Furacão na Botocúndia” – espécie de Bíblia sobre vida e obra do escritor nascido em Taubaté (SP). “Ser ‘lobatólogo’ é uma militância”, admite. “E o Brasil tem de se orgulhar de Lobato.”

Vladimir Sacchetta desafia quem consiga encontrar uma criança que não esteja de algum modo familiarizada com a Emília, o Pedrinho, a Narizinho ou outro morador do sítio. “São personagens que já pertencem ao nosso imaginário infantil”, diz. Também tem certeza de que o interesse da garotada por essas histórias continua incólume, mesmo em época dominada pela tecnologia. “Pode ocorrer certa dificuldade para entender palavras em desuso, mas até isso é importante porque estimula a consulta ao dicionário”, comenta. Só demonstra impaciência, quando lembra que a obra de Lobato correu risco, em 2011, de ser banida das escolas em razão do tratamento “preconceituoso” à raça negra que aparece em certos trechos. “É uma grande bobagem ler as má-criações que a Emília fazia com a Tia Nastácia, em histórias escritas na década de 30, com os olhos de hoje”, alerta. “O educador não deve alterar, mas sim explicar para a criança que fazer isso é inadmissível nos dias atuais.” Exatamente o que o Conselho Nacional de Educação recomendou ao encerrar a discussão: o uso do bom senso pelo professor em sala de aula, contextualizando o que há de polêmico na obra de Monteiro Lobato.

A seguir, os destaques da entrevista de Vladimir Sacchetta, concedida ao Educar para Crescer em agosto de 2011.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *