Paquistanês dá aulas ao ar livre para crianças e jovens carentes há 30 anos

[adToAppearHere]

Mohammed Ayub cumpriu promessa do pai para ensinar os pobres.

Mohammed Ayub tem 57 anos há pelo menos três décadas percorre diariamente as ruas de Islamabad, capital do Paquistão, convencendo crianças carentes a participarem de uma aula que ele ministra ao ar livre em uma praça da cidade. No país onde o direito à educação é ainda uma luta (a jovem Malala Yousafzai ganhou o Prêmio Nobel da Paz por sua luta pelo direito da criança em ir à escola), crianças e adolescentes se reúnem ao ar livre com livros abertos e sentados no chão, em frente a um quadro negro, para acompanhar mais um dia de aula.

Ayub é um homem de origem humilde. Ele chegou a Islamabad em 1976 vindo de sua cidade natal, Mando Bahauddin, levando com ele os sete irmãos mais novos. O pai de Ayub, em seu leito de morte, pediu para que Mohammed nunca deixasse faltar educação para os irmãos. O homem foi além, e passou a ensinar outras crianças carentes.

“Não sei dizer quantas pessoas passaram pela escola nestes 30 anos. Devem ser milhares”, disse Ayub à Associated Press. “Sei que vou continuar esta missão até o meu último suspiro.”

Ele começou a ensinar as crianças em 1985, depois de ver um menino de 12 anos servindo mesas em um restaurante. “Pensei: ele não é diferente que meu irmão mais novo. Então decidi ensiná-lo e isso e foi o começo da minha missão na escola ao ar livre”, disse.

Ayub convenceu outros meninos que trabalham em lojas e restaurantes do bairro para estudar primeiro no mercado público, depois em uma praça ao ar livre.  Autoridades da cidade concordaram em não incomodá-lo, desde que ele não tenta criar uma estrutura permanente.

Ele ensinou estudantes de matemática, a língua indo-europeia urdu e um pouco de Inglês básico – apesar de ele não ter nenhum treinamento no ensino pedagógico. Quando ele começou, a maioria dos alunos eram crianças que viviam nas ruas ou trabalharam durante o dia, em vez de ir para a escola. Agora cerca de três quartos dos seus cerca de 170 alunos vão para escolas públicas, mas alguns de suas aulas depois para a tutoria extra. Os demais não estão em nenhuma escola formal.

Ao longo dos anos, Ayub tem sido acompanhado por um pequeno exército de voluntários, incluindo um diretor escolar aposentado, um médico, um bombeiro e vários alunos mais velhos que ensinam os mais jovens.

“Ele está prestando um grande serviço à sociedade”, disse Irfan Siddiqi, assessor do primeiro-ministro do Paquistão, que indicou Ayub a um prêmio nacional pelas boas contribuições em vários campos.

Farhat Abbas, que aprendeu a ler e a escrever com o professor Ayub, ainda lembra quando foi convencido a ir estudar. “Quero me tornar professor e fazer o mesmo que ele faz”, diz o jovem. “Se não tivesse o conhecido, eu seria analfabeto até hoje.”

[adToAppearHere]

Fonte: http://g1.globo.com/

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sign up to our newsletter!